quarta-feira, 9 de agosto de 2017

O Valor das anotações - Pão comido não é lembrado!

      Este artigo tem como objetivo mostrar como somos falhos, esquecidos e capazes de cometer terríveis equívocos.
      Certa vez um rapaz se viu numa situação embaraçosa e constrangedora, pois na época cuidava da conta de poupança de uma Senhora idosa, tendo sido nomeado pela mesma para controlar as saídas e entradas de dinheiro. Apesar de ter sido nomeado, deixava o cartão da conta e a senha junto com os documentos da mesma em sua casa.

      Passou o tempo, talvez quatro ou cinco anos.... UM DIA... Três parentes daquela senhora, O colocaram na sala da casa, na presença daquela senhora e o questionaram:

- Ocorreu um saque de Cr$ 10.000,00(Dez mil cruzeiros) na Conta, para o que foi este dinheiro? Você deve nos prestar conta, diga-nos o que ocorreu?
- Pego de surpresa ficou constrangido, pois não se lembrava daquele saque;  Respondeu que não sabia; A Pressão continuou, pois como responsável deveria dar conta do sumiço daquela quantia;
- Ficando muito constrangido e envergonhado, pois não se lembrava de nada! Depois de um tempo de pressão e de olhares condenativos e desconfiados; Andou para lá e para cá tentando achar uma saída ou se lembrar, mas nada!  Estava sendo visto como um 171 da vez!
- Muito constrangido, resolveu pegar os extratos da conta e verificar se havia alguma anotação, pois sendo criterioso, era seu costume fazer anotações; Verificando os extratos, no cantinho estava escrito: "Dinheiro usado para comprar o carro X", emprestado ao fulano;
- se lembrou de imediato da referida compra e da transação bancária; Pôde então se explicar e tirar seu nome da vergonha eterna que carregaria daquele dia em diante, livrado no momento certo, por aquela bendita anotação, feita anos antes. Penso que até hoje alguém o constrangeria e perguntaria: 
- Onde estão os Cr$ 10.000,00 da velha que você deu o sumiço?
- Você devolveu o dinheiro da velha?
- Malandro hein! não deixa de tirar uma casquinha!
- Você tem que devolver o dinheiro, ok?

      O Que ocorre é que se não tivesse provado o destino do dinheiro, teria que repor o desfalque, pagando por aquele dinheiro que ninguém sabia o destino; contudo, como era sistemático, provavelmente teria pegado do seu próprio bolso e coberto a quantia. Mesmo assim, ainda pairaria uma dúvida quanto a honestidade do rapaz, pois repusera depois de ter sido supostamente descoberto.  

      Outro detalhe interessante é que as três pessoas que queriam saber o destino da quantia, eram as mesmas que a haviam sacado, numa transação de carro entre elas, com a anuência e participação da referida Senhora.

      Outro detalhe é que a senhora ou elas, as responsáveis pela façanha, nem se lembravam da transação e nem do saque! Agora o rapaz teria que dar conta do dinheiro! Imagina?

Como ocorreu a anotação:

      O Rapaz estava sempre indo a casa desta senhora, parente por sinal, e quando chegava lá, dava uma olhada e checava os extratos que chegavam pelo correio... à época, percebeu este saque e estranhando perguntou para a Senhora:

-  Tiraram Cr$ 10.000,00, da conta... quem fez isto?

 - Ela respondeu de pronto: Foi o dinheiro usado para comprar o carro que fica aqui em casa.

      Foi um negócio entre as filhas da referida senhora.  Inclusive citou que elas a haviam levado a agência bancaria para efetuar o saque. O Rapaz, precavido, não deixou de anotar o ocorrido naquele mesmo momento! Graças a Deus fez isto! Pois ele também havia esquecido por completo e todas elas também!  E a culpa seria de quem? Se não tivesse feito a anotação?

FATO LOUVÁVEL : Os envolvidos reconheceram ter errado!